putlockerscanli bahiscanli casino
Estou em:   Início » 9ª edição da Feira Estadual ...

Tamanho do texto:   Tamanho do texto menor Tamanho do texto normal Tamanho do texto maior   

9ª edição da Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação bate recorde de público

Populações tradicionais, experimentos científicos, apresentações multiculturais e trocas de experiências marcaram a 9ª edição da Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), evento organizado anualmente pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). A edição deste ano bateu recorde de público com 20 mil visitantes durante três dias de realização do evento, que integrou o congresso internacional “Belém +30” entre os dias 08 a 10 de agosto, no Hangar.


O objetivo da Feira paraense é o de promover a popularização do ensino de ciência e tecnologia no Estado e mostrar como a tríade CT&I está presente em todos os momentos do nosso cotidiano. Com o “Belém +30”, a Feira expandiu seu público ao receber visitantes de mais de 45 países, além de povos tradicionais, como indígenas, quilombolas e ciganos.

“O mais importante de tudo foi a possibilidade de demonstrar, na prática, as amplas possibilidades de integração entre o conhecimento científico e o conhecimento tradicional a partir do diálogo e o respeito mútuo para buscar um desenvolvimento inclusivo e sustentável”, opinou o diretor de ciência e tecnologia da Sectet, Marco Antônio Lima.

Destaques - Universidades, empresas e instituições paraenses de ensino e pesquisa se distribuíram em 30 estandes, apresentando seus projetos e atividades ligados à área de CT&I. Um dos destaques na programação da Feira foi o VET KIDS, projeto de extensão da Universidade Federal Rural da Amazônia. O objetivo da iniciativa é proporcionar maior entendimento acerca do cuidado com os animais domésticos por meio da simulação de um hospital veterinário.

“Simulamos vários procedimentos de um hospital para chamar a atenção, por exemplo, sobre conceitos acerca da proteção de animais e do homem no que tange a transmissão de doenças. O projeto é voltado ao público infantil e ao participar de uma Feira como essa, conseguimos atender um número muito maior de crianças”, afirmou o coordenador do projeto, Reinaldo Viana.

Outro destaque foi a realização do projeto “Sexta com Ciência”, iniciativa da Sectet para debater sobre temas importantes que visam o desenvolvimento do Pará a partir do espírito inovador, da prática científica e do uso da tecnologia em favor da redução das desigualdades sociais. O tema discutido foi “O diálogo entre as populações tradicionais, a Ciência e a Tecnologia na Amazônia”, e contou com a apresentação de membros da Organização Social BioTec-Amazônia, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e representantes de comunidades do Combú e Abacatal.

“Estamos abertos ao diálogo a partir do respeito à natureza e às nossas tradições. Deve-se, por exemplo, pensar, em conjunto com a comunidade, tecnologias baratas voltadas para pequenos produtores nas comunidades ribeirinhas, pois tudo é muito manual e dificulta a verticalização das cadeias produtivas, como o cacau e o açaí, por exemplo”, pontuou a moradora da Ilha do Combú, Izete Costa, mais conhecida como Dona Nena.

Além da Feira Estadual de CT&I, o “Belém +30” também agregou o XVI Congresso Internacional de Etnobiologia, o XII Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia e a I Feira Mundial da Sociobiodiversidade. Palestras, sessões acadêmicas, mesas de trabalho, sessão de pôsteres, minicursos e uma extensa programação artístico-cultural com apresentações de carimbó, lundu, marujada, guitarrada, capoeira, tambor de crioula, cordão de pássaros, bois, entre várias outras manifestações, marcaram o evento.

O graduando Daniel Menezes veio do Maranhão para participar do congresso internacional e fez questão de visitar cada estande da Feira Estadual de CT&I. “É muito gratificante essa troca de experiências, tanto para quem expõe quando para quem recebe as explicações dos pesquisadores e graduandos, pois é o resultado da produção acadêmica deles se expandindo para o mundo e ganhando outras interpretações que podem auxiliar no futuro da pesquisa apresentada”, opinou o estudante.

A Feira Estadual de CT&I contou com o patrocínio do Banco do Estado do Pará (Banpará), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), da Faculdade Ideal e do Centro Universitário do Estado do Pará (Cesupa).

Texto: Igor de Souza (Ascom-Sectet)
Imagem: 
Imagem ilustrativa da notícia.

Imprimir este Conteúdo